Levantamento etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Giovana Secretti Vendruscolo, Lilian Auler Mentz

Resumo


Foi realizado um levantamento das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro Ponta Grossa e Agentes Comunitários de Saúde, que lhes prestam assistência junto ao Posto de Saúde da Família do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul. As entrevistas, estruturadas, na forma de questionários para obtenção de dados socioculturais e semi-estruturadas, para o levantamento dos dados sobre as plantas, resultaram na coleta de 150 espécies, pertencentes a 59 famílias. As famílias com maior número de espécies foram Asteraceae e Lamiaceae. As partes das plantas mais utilizadas foram folhas e partes aéreas, sendo o chá a principal forma de utilização. As doenças e/ou sintomas mais mencionados foram os relacionados aos aparelhos digestório e respiratório. Os nomes populares foram analisados, tendo sido encontradas 56 espécies com etno-homônimos e 73 espécies com etno-sinônimos verdadeiros ou falsos.


Palavras-chave


etnobotânica, plantas medicinais, Asteraceae, Lamiaceae.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXIADES, M.N. 1996. Collecting ethnobotanical data: an introduction to basic concepts and techniques. In: ALEXIADES, M.N. (Ed.) Guidelines for ethnobotanical field collectors. New York: The New York Botanical Garden. p. 53-94.

CRONQUIST, A. 1988. The evolution and classification of Flowering Plants. New York: The New York Botanical Garden. 555p.

DORIGONI, P.A.; GHEDINI, P.C.; FRÓES, L.F.; BAPTISTA, K.C.; ETHUR, A.B.M.; BALDISSEROTTO, B.; BÜRGER, M.E.; ALMEIDA, C.E.; LOPES, A.M.; ZÁCHIA, R.A. 2001.

Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS, Brasil. I – Relação entre enfermidades e espécies utilizadas. Revista Brasileira de Planta Medicinais, Botucatu, v. 4, n. 1, p. 69-79.

GARLET, T.M.B. 2000. Levantamento das plantas medicinais utilizadas no município de Cruz Alta, RS, Brasil. 220f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GHEDINI, P.C.; DORIGONI, P.A.; ALMEIDA, C.E.; ETHUR, A.B.M.; LOPES, A.M.V.; ZÁCHIA, R.A. 2002. Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS. II- Emprego de preparações caseira de uso medicinal. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 5, n. 1, p. 46-55.

HEDBERG, I. 1987. Research on medicinal and poisonous plants of the tropics – past, present and future. In: INTERNATIONAL BOTANICA CONGRESS, 14, 1987, Berlin. Proceedings of symposium… Berlin. p.5-35.

LEEUWEMBERG, A.J.M. (Ed.) Medicinal and poisonous plants of the tropics. 5-35 of the 14th International Botanical Congress, Berlin.

KRAMER, K.U.; GREEN, P.S. 1990. Pteridophytes and Gimnosperms. In: KUBITSKY, K. (Ed.) The families and genera of vascular plants – Pteridophytes and Gymnosperms. Heidelberg: Springer Verlag. 404p.

KOTTAK, C.P. 1994. El campo de la antropologia. In: KOTTAK, C.P. (Ed.) Antropologia: una exploración de la diversidad humana con temas de la cultura hispana. 6. ed. Madrid: McGraw-Hill. p. 1-18.

KUBO, R.R. 1997. Plantas de uso medicinal em Coronel Bicaco, RS. 163f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MABBERLEY, D.L.A. 1997. Classification for edible Citrus (Rutaceae). Telopea, New South Wales, v. 7, n. 2, p. 167-182.

MARODIN, S.M. 2000. Plantas utilizadas como medicinais no município de Dom Pedro de Alcântara, Rio Grande do Sul. 413f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MATOS, F.J.A. 1985. Recuperação de informações, seleção e divulgação de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, Jul./dez., p.50-61.

______. 1998. Farmácias vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetadas para pequenas comunidades. 3. ed. Fortaleza: IOCE. 219p.

MENEGAT, R.; PORTO, M.L.; CARRARO, C.C.; FERNANDES, L.D. 1999. Atlas ambiental de Porto Alegre. Porto Alegre: Universidade/UFRGS. 228p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS); UNIÓN MUNDIAL PARA LA NATURELEZA (UICN), WORLD WILDLIFE FUND (WWF). 1993. Diretrizes sobre conservación de plantas medicinales. Londres: Media Natura. 58p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). 1995. Classificação

Internacional das Doenças – 10ª Conferência. Porto Alegre: Sagra-DC Luzzatto. 444p.

PILLAR, V.D. 2001. MULTIV. Multivariate Exploratory Analysis, Ramdomization testing and Bootstrap Resampling. Porto Alegre: UFRGS. 42p.

POSSAMAI, R.M. 2000. Levantamento etnobotânico das plantas de uso medicinal em Mariana Pimentel, RS. 108f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

REIS, M.S.; MARIOT, A.; STEENBOCK, W. 2003. Diversidade e domesticação de plantas medicinais. In: SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMAN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. (Ed.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5. ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da UFRGS/Editora da UFSC. p. 45-74.

RITTER, M.R.; SOBIERAJSKI, G.R.; SCHENKEL, E.P.; MENTZ, L.A. 2002. Plantas usadas como medicinais no município de Ipê, RS, Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, Maringá, v. 12, n. 2, p. 51-62.

SANTOS, R.I. 2003. Metabolismo básico e origem dos metabólitos secundários. In: SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMAN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. (Ed.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5. ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da UFRGS/Editora da UFSC. p. 403-434.

SEBOLD, D.F. 2003. Levantamento etnobotânico de plantas de uso medicinal no município de Campo Bom, RS, Brasil. 106f. Dissertação (Mestrado em Botânica) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

SCHULTES, R.E. 1988. Ethnopharmacological conservation: a key to progress in medicine. Acta Botanica, Porto Alegre, v. 18, n. 1/2, p. 393-406. Suplemento.

SIMÕES, C.M.O.; MENTZ, L.A.; SCHENKEL, E.P.; IRGANG, B.E.; STEHMANN, J.R. 1988. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS. 173p.

SOARES, E.L.C.; VENDRUSCOLO, G.S.; EISINGER, S.M.; ZÁCHIA, R.A. 2004. Estudo etnobotânico do uso dos recursos vegetais em São João do Polêsine, RS, Brasil, no período de outubro de 1999 a junho de 2001. I – Origem e fluxo do conhecimento. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 6, n. 3, p. 69-95.

SOARES, M.H.C.; SUZUKI, M.J.O.; KRAUSE, N.M.; OLIVEIRA, P.; PONTES, R.G. 1992. A utilização de aterros e impacto do ambiente construído em áreas de inundação. Trabalho aprensentado para a conclusão do Curso de Especialização em Geografia Ambiental IV, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1992.

SOMAVILLA, N.; CANTO-DOROW, T.S. 1996. Levantamento das plantas medicinais utilizadas em bairros de Santa Maria- RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 18, p. 131-148.

VENDRUSCOLO, G.S.; EISINGER, S.M.; SOARES, E.L.C.; ZÁCHIA, R.A. 2005. Estudo etnobotânico do uso dos recursos vegetais em São João do Polêsine, RS, Brasil, no período de outubro de 1999 a junho de 2001. II – Etnotaxonomia: critérios taxonômicos e sistemas de classificação folk. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 7, p. 44-72.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)