Germinação e crescimento de plântulas in vitro de Muntingia calabura L. (Muntingiaceae) submetida a diferentes meios de cultivo

Francisco Roberto Pierine, Patrícia Franco Gianini, Cristiano Pedroso-de-Moraes

Resumo


Avaliou-se a germinação e crescimento de Muntingia calabura L. em meios de cultivo MS ½ macronutrientes, Hyponex® e Kristalon laranja®. A semeadura foi feita em quatro frascos por tratamento, mantidos em incubadora. Após 45 dias, foram avaliados: germinabilidade, índice de velocidade de germinação, os comprimentos: total da plântula, da parte aérea, da raiz axial e da maior folha, a massa fresca total e a massa seca total. O meio de cultura MS ½ macronutrientes mostrou maior eficiência para o desenvolvimento in vitro de plântulas de M. calabura. Tal eficiência é devida às concentrações intermediárias de sais nitrogenados em relação aos demais meios de cultivo e maiores concentrações de P e K em relação ao meio KR e menores em relação ao HY. O meio de cultura à base de KR proporcionou valores intermediários de crescimento das plântulas em relação ao meio MS com ½ macronutrientes e ao HY.


Palavras-chave


cultivo in vitro, micropropagação, produção vegetal

Texto completo:

PDF

Referências


Arditti, J. & Ernest, R. 1992. Micropropagation of orchids. John Wiley & Sons, New York. 682p.

Bayer, C., Chase, M.W. & Fay, M.F. 1998. Muntingiaceae, a new family of dicotyledons with malvalean affinities. Taxon 47:37-42.

Brasil. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento. Regras para análise de sementes, Brasília. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 399p.

Castro, A.H.F., Paiva, R., Alvarenga, A.A. de & Vitor, S.M.M. 2009. Calogênese e teores de fenóis e taninos totais em barbatimão [Stryphnodendron adstringens (mart.) coville]. Ciência e Agrotecnologia 33:385-390.

Chen, Y., Chang, C. & Chang, W. 2000. A reliable protocol for plant regeneration from callus culture of Phalaenopsis. In Vitro Cellular and Developmental Biology Plant 36:420-423.

Conceição, H.E.O. da, Pinto, J.E.B.P., Santiago, E.J.A. de & Gonçalves, A.A.S. 2002. Crescimento e desenvolvimento de Derris urucu (Killip et Smith) na ausência de macronutrientes em solução nutritiva. Ciência e Agrotecnologia 26:472-479.

Fermino Jr, P.C.P. & Scherwinski-Pereira, J.E. 2012. Germinação e propagação in vitro de cerejeira (Amburana acreana (Ducke) A.C. Smith - Fabaceae). Ciência Florestal 22:1-9.

Figueiredo, M.A. de, Pasqual, M., Araujo, A.G. de, Junqueira, K.P, Santos, F.C., & Rodrigues, V.A. 2008. Fontes de potássio no crescimento in vitro de plantas de orquídea Cattleya loddigesii. Ciência Rural 38:255-257.

Germek, E.B.A. 1975/1976. Introdução de plantas no desenvolvimento da Agricultura. O Agronômico 27/28:365-375.

Grattapaglia, D. & Machado, M. 1998. Micropropagação. In Cultura de tecidos e transformação genética de plantas (A.C. Torres, L.S. Caldas, J.A. Buso). Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Brasília. p. 99-169.

Kaneda, N., Pezzuto J.M., Soejarto, D.D., Kinghorn, A.D., Farnsworth, N.R., Santisuk, T., Tuchinda, P., Udchachon, J. & Reutrakul, V. 1991. Plant anticancer agents: XLVIII. New cytotoxic flavonoids from Muntingia calabura roots. Journal of Natural Products 54:196-206.

Labouriau, L.G. 1983. A germinação de sementes. OEA, Washington. 223p.

Lopes, J.C., Pereira, M.D. & Martins-Filho, S. 2002. Germinação de sementes de calabura (Muntingia calabura L.). Revista Brasileira de Sementes 24:59-66.

Lorenzi, H., Souza, H.M. de, Torres, M.A.V. & Bacher, L.B. 2003. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Plantarum, Nova Odessa. 173p.

Maguire, J.D. 1962. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2:176-177.

Merkle, S.A & Nairn, J. 2005. Hardwood tree biotechnology. In vitro Cellular and Development Biology-Plant 41:602-619.

Murashige, T & Skoog, F. 1962. A revised medium for rapid growth and bio-assays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum 15:473-497.

Nery, M.C., Laene, M.M.C., Oliveira, L.M. de, Nery, F.C. & Silva, D.G. 2008. Germinação in vitro e ex vitro de embriões/sementes de Tabebuia serratifolia (Vahl) Nich. Cerne 14:1-8.

Nogueira, R.C., Paiva, R., Castro, A.H. de, Vieira, C.V., Abbade, L.C., & Alvarenga, A.A. 2004. Germinação in vitro de murici-pequeno (Byrsonima intermedia A. Juss.). Ciência e Agrotecnologia 28:1053-1059.

Pasqual, M. 2001. Introdução: fundamentos básicos. In CURSO de especialização à distância cultura de tecidos vegetais (CTV) (M. Pasqual). Universidade Federal de Lavras, Lavras. 97p.

Rego-Oliveira, L.V & Faria, R.T. 2005. In vitro propagation of Brazilian orchids using traditional culture media and commercial fertilizers formulations. Acta Scientiarum Agronomy 27:1-5.

Sokal, R.R & Rohlf, F.J. 1995. Biometry. Freeman and Company, São Francisco. 776p.

Souza, V. C & Lorenzi, H. 2005. Botânica sistemática. Guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Plantarum, Nova Odessa. 539p.

Stancato, G.C., Bemelmans, P.F. & Vegro, C.L.R. 2001. Produção de mudas de orquídeas a partir de sementes in vitro e sua viabilidade econômica: estudo de caso. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental 7:25-33.

Xavier, A., Otoni, W.C. & Penchel, R.M. 2007. Micropropagação e Enxertia in vitro de espécies florestais. In Biotecnologia Florestal. (A. Borém). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. p. 55-74.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)