Levantamento florístico de fragmentos florestais na bacia hidrográfica do rio Gravataí, Rio Grande do Sul, Brasil

Maria de Lourdes Abruzzi Aragão de Oliveira, Rodrigo Agra Balbueno, Rosana Moreno Senna

Resumo


O objetivo deste estudo é a caracterização florística de fragmentos florestais da bacia do rio Gravataí, visando fundamentar ações de manejo para a conservação do solo, dos recursos hídricos e da biodiversidade regional. Analisou-se um total de 10 fragmentos florestais, registrando-se a ocorrência de 249 espécies, distribuídas em 70 famílias e 164 gêneros. Verificou-se o predomínio de elementos arbóreos de distribuição ampla e do contingente florístico das bacias dos rios Paraná- Uruguai, ou seja, da Floresta Estacional Decidual, sendo também registradas espécies da Floresta Ombrófila Densa da encosta atlântica. Constatou-se a presença de várias espécies integrantes da lista de táxons ameaçados do Rio Grande do Sul. São indicadas espécies a serem utilizadas para recuperação das matas ciliares.


Palavras-chave


Florística, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila Densa da encosta Atlântica, vegetação ripária, Bacia do rio Gravataí.

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, L. R. 1967. Sobre uma comunidade florestal em Morungava (Mun.de Gravataí, RS). In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 15., Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 1967. p. 197-201.

BULHÕES, F. M.; GIUGNO, N. B. 1994. Cobertura vegetal e ocupação atual do solo da área de influência da Barragem Olaria Velha e da Bacia do rio Gravataí RS. Porto Alegre: CPRM/METROPLAN. 1 v. não paginado, il. (Série Ordenamento Territoral, 2).

COMITÊ DE GERENCIAMENTO DA BACIA DO RIO GRAVATAÍ. 1990. Barragem do rio Gravataí; consolidação de estudos e informações para justificativa do empreendimento. Porto Alegre. 132f. il.

ECOPLAN ENGENHARIA/CORSAN. 1992. Barragem Olaria Velha – Rio Gravataí. Porto Alegre. v. 1. 72 p.

FUNDAÇÃO ZOOBOTÂNICA DO RIO GRANDE DO SUL. Museu de Ciências Naturais. 1983. Amostragem da flora e fauna das nascentes do rio Gravataí, Rio Grande do Sul, visando a emissão de um parecer sobre as condições bióticas da área nos meses de março, abril e maio de 1983. Relatório Final. Porto Alegre.

JARENKOW, J. A. 1994. Estudo fitossociológico comparativo entre duas áreas com mata de encosta no Rio Grande do Sul. 125f. Tese (Doutorado em Ciências – Ecologia). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

JARENKOW, J. A.; WAECHTER, J. L. 2001. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasil. Bot., Campinas, v. 24, n. 3, p. 263-272.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. 2003. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasil. Bot., v. 26, n. 4, p. 475-487.

KLEIN, R. M. 1972. Árvores nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, Itajaí, n. 24, p. 9-62.

KLEIN, R. M. 1983. Aspectos fitofisionômicos da Floresta Estacional na fralda da Serra Geral (RS). In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 34. Anais... Porto Alegre: EMBRAPA, 1983, v. 1, p. 73-110.

MELLO. L. P. 1998. Percepção da paisagem e conservação ambiental no Banhado Grande do Rio Gravataí (RS). 365f. Tese (Doutorado em Geografia) – Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MOTA, F. S. 1951. Estudos do clima do Estado do Rio Grande do Sul segundo o Sistema de W. Koeppen. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 107-116.

NOELLI, F. S. 2000. Documentação histórica do limite meridional da Araucaria angustifolia e do início do processo de desmatamento no Rio Grande do Sul. Napaea, Porto Alegre, n. 12, p. 69-74.

OLIVEIRA, M. L. A. A. 1997. Caracterização preliminar da cobertura vegetal na bacia de contribuição do Banhado Grande (Bacia Hidrográfica do rio Gravataí), Rio Grande do Sul, Brasil. Relatório não publicado.

RAMBO, B. 1956. A fisionomia do Rio Grande do Sul: ensaio de monografia natural. Porto Alegre: Selbach. 471p.

RAMBO, B. 1961. Migration routes of the South Brazilian rain Forest. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo, n. 12, p. 1-54.

TEIXEIRA, M. B. et al. 1986. Vegetação. As regiões fitoecológicas, a sua natureza e seus recursos econômicos, estudo fitogeográfico. In: FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. FOLHA SH.22, Porto Alegre e parte das folhas SH.21 Uruguaiana e SI. Lagoa Mirim: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Rio de Janeiro. p. 541-632. (Levantamento de Recursos Naturais, 33).

WAECHTER, J. L. 1986. Epífitos vasculares da mata paludosa do Faxinal, Torres, Rio Grande do Sul. Iheringia, Sér. Botânica, Porto Alegre, n. 34, p. 39-49.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)