Lauraceae das restingas do estado do Rio de Janeiro, Brasil

Marcela Stuker Kropf, Alexandre Quinet, Regina Helena Potsch Andreata

Resumo


Apresenta-se o estudo taxonômico das espécies de Lauraceae para as restingas
do Estado do Rio de Janeiro. O trabalho consta de chave de identificação, descrições, dados de
fenologia, distribuição geográfica, comentários e ilustrações. São reconhecidas 25 espécies
subordinadas a nove gêneros: Aiouea Aubl., Aniba Aubl., Cassytha L., Endlicheria Nees,
Licaria Aubl., Nectandra Rol. ex Rottb., Ocotea Aubl., Persea Mill. e Rhodostemonodaphne
Rohwer ex Kubitzki. O número de espécies da família no ecossistema estudado foi elevado,
com dez novas ocorrências, enquadrando-a entre as vinte mais importantes apontadas para
as restingas. Ocotea, o gênero com maior riqueza, está entre os doze mais importantes das
restingas do Estado do Rio de Janeiro.


Palavras-chave


conservação, florística, taxonomia

Texto completo:

PDF

Referências


Accardo-Filho, M.A.P. & Senna-Valle, L. 2010. Flórula do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, Rio de Janeiro, Brasil: Theaceae. Arquivos do Museu Nacional 68 (3-4): 269-272.

Alves, F. M. & Sartori, A.L.B. 2009. Nectandra Rol. ex. Rottb. (Lauraceae) no Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 23: 118-129.

Araújo, D.S.D. 2000. Análise florística e fitogeográfica das restingas do Estado do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Araújo, D.S.D. & Henriques, R.P.B. 1984. Análise florística das restingas do Estado do Rio de Janeiro. In: Restingas: Origem, Estrutura e Processos. (L.D. Lacerda et al. orgs.). Editora da Universidade Federal

Fluminense, Niterói, p.159-193.

Assumpção, J. & Nascimento, M.T. 2000. Estrutura e composição florística de quatro formações vegetais de restinga. Acta Botanica Brasilica14(3): 301-315.

Baitello, J.B., Hernandez, F.L., Moraes, P.L.R., Esteves, R. & Marcovino, J.R. 2003. Lauraceae. In: Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo 3 (Maria das Graças Lapa Wanderley; George John Shepherd; Therezinha Sant’Ana Melhem; Ana Maria Giulietti; Mizué Kirizawa, orgs.). RiMa/Fundação de Amparo a Pesquisa, São Paulo, p. 149-223.

Cante, T. 1988. O móvel do século XIX no Brasil. Cândido Guinle de Paula Machado, Rio de Janeiro, 190p.

Dansereu, P. 1947. Zonation et succession sur la restinga de Rio de Janeiro. I. Halosere. Revue Canadienne de Biologie 6: 448-477.

Freitas, M. F. 1990/92. Cactáceas da APA de Massambaba, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 42/44: 67-91.

Guedes-Bruni, R.R. 1998. Composição, estrutura e similaridade florística de dossel em seis unidades de Mata Atlântica do Rio de Janeiro. Tese 206f., Universidade de São Paulo, São Paulo.

Guedes-Bruni, R.R., Pessoa, S.V.A. & Kurtz, B.C. 1997. Florística e estrutura do componente arbustivoarbóreo de um trecho de preservado de floresta montana na Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: Serra de Macaé de Cima: Diversidade Florística e Conservação em Mata Atlântica (H.C. de Lima & R.R. Guedes-Bruni eds.). Jardim Botânico do Rio de

Janeiro, Rio de Janeiro: p.127-145.

Hueck, K. 1955. Plantas e formações organogênicas das dunas do litoral Paulista I: Contribuição para a pesquisa fitossociologica paulista. Secretaria de Agricultura, São Paulo.

Konno, T.U.P., Fontella-Pereira, J. & Araújo, D.S.D. 2001. Asclepiadaceae Brasilienses, XII. Diversity and distribution of taxa from the sandy coastal-plain vegetation of Rio de Janeiro State, Brazil. Asklepios 82:11-18.

Kropf, M.S., Quinet, A. & Andreata, R.H.P. 2006. Lista Anotada, Distribuição e Conservação das Espécies de Lauraceae das Restingas Fluminenses, Brasil. Pesquisas. Botânica, 57: 161-180.

Kurtz, B.C. 2000. Composição florística e estrutura do estrato arbóreo de um trecho de Mata Atlântica situado na Estação Ecológica do Paraíso, Município de Cachoeiras de Macacu, Rio de Janeiro. Rodriguésia

(78/115): 69-112.

Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: http:// floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acessado em 16.03.2015.

Lobão, A. & Araújo, D.S.D. & Kurtz, B.C. 2005. Annonaceae das restingas do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 56 (87): 85-96.

Longhi, S.J. et al. 2000. Aspectos fitissociológicos de fragmento de floresta estacional decidual, Santa Maria, RS.Ciência Florestal 10 (2): 59-74.

Marques, C.A. 2001. Importância econômica da família Lauraceae Lindl. Floresta e Ambiente 8 (1):195- 206.

Ormond, W.T. 1960. Ecologia das restingas do sudeste do Brasil. Comunidades vegetais das praias arenosas I. Rio de Janeiro. Arquivos do Museu Nacional 50:185- 236.

Palazzo, F. M. A. 2012. Sapotaceae das Restingas do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação 210f., Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Quinet, A. & Andreata, H.R.P. 2002. Lauraceae Jussieu na Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 53 (82):59 – 121.

Quinet, A. 2005. Sinopse taxonômica da família Lauraceae no Estado do Rio de Janeiro. Acta Botanica Brasilica 19 (3):563-572.

Quinet, A., Baitello, J.B., Moraes, P.L.R. de, Alves, F.M. & Assis, L. 2012. Lauraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB143. Acessado em

06.2013.

Reis, R.C.C. 2006. Palmeiras (Arecaceae) das Restingas do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica 20 (3): 501-512.

Reitz, P.R. 1954. A vegetação de Laguna. Sellowia 6: 234 - 258.

Restinga.net. 2013. Disponível em http://www.restinga.net. Acessado em 22.05. 2012.

Rodrigues, H.C. 1996. Composição florística e estrutura fitossociológica de um trecho de Mata Atlântica na Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Dissertação 77f., Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Rohwer, J.G. 1986. Prodromus einer Monographie der Gattung Ocotea Aubl. (Lauraceae) sensu lato. Mitteilungen aus dem Institut für Allgemeine

Botanik, Hamburg, 20: 1-278.

Rohwer, J.G. 1993a. Lauraceae: Nectandra. Flora Neotropica Monograph 60:1-332.

Rohwer, J.G. 1993b. Lauraceae. In: Kubitzki, K. & Rohwer, J.G. & Bittrich, V. (eds.). The Families and Genera of Vascular Plants II. Flowering plants.

Dicotyledons. Berlin: Springer-Verlag, v.2. 366-391.

Santos, S. O. & Alves, M. 2013. Sinopse taxonômica da família Lauraceae na porção norte da Floresta Atlântica brasileira. Revista Brasileira de Biociências 11(1): 14-28.

Souza, M.C. 2008. Subtribos Eugeniinae O. Berg e Myrtinae O. Berg (Myrtaceae) na Restinga da Marambaia, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica 22 (3): 652-683.

Souza, M.C., Morim, M.P., Conde, M.M.S., Menezes, L.F.T. 2007. Subtribo Myrciinae O. Berg (Myrtaceae) na Restinga da Marambaia, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica 21(1): 49-63.

Ule, E. 1901. Die vegetation von Cabo Frio an der kuste von Brasilien. Botanische Jahrbucher fur Systematik 28: 511-528.

Vattimo-Gil, I. 1959. Flora da Cidade do Rio de Janeiro (Lauraceae). Rodriguésia 21/22 (33-34):157-176.

Veloso, H.P., Rangel Filho, A.L. & Lima, J.C.A. 1991. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)