Germinação de sementes de Myrsine coriacea (Primulaceae) submetidas a diferentes tratamentos para superação da dormência

Renata Rodrigues Lucas, Gustavo Crizel Gomes, Ernestino de Souza Guarino, Thales Castilhos de Freitas, Silvana Wachholz do Amaral, Leticia Penno de Sousa, Adalberto Koiti Miura, Caroline Jácome Costa

Resumo


Myrsine coriacea (Sw.) R. Br. ex Roem. & Schult. é uma espécie arbórea nucleadora e  alvo de intensa frugivoria, contribuindo para deposição de sementes de outras espécies. Devido suas sementes permanecerem no banco de sementes do solo, favorece a regeneração florestal após distúrbios naturais ou antrópicos. Com o objetivo de testar diferentes métodos para superação da dormência das sementes, foram analisados os seguintes tratamentos: Controle (TC), Escarificação Química (TQ), Escarificação Mecânica (TM) e Escarificação Térmica (TT). Foram avaliados os parâmetros: Percentual de Germinação (PG %), Índice de Velocidade de Germinação (IVG) e Tempo Médio de Germinação (TMG/dias). Para todos os parâmetros, o TM foi o mais eficaz para promoção da germinação, pois elevou a porcentagem e a velocidade de germinação, observando-se maior número de sementes germinadas em menor espaço de tempo. O TQ adotado foi deletério, e por isso não é recomendado. Não houve diferença significativa entre TC e TT.

Palavras-chave


Escarificação, restauração ecológica, sementes florestais

Texto completo:

PDF

Referências


Abdo, M.T.V.N. 2015. Transferência de tecnologia: guia prático para quebra de dormência de sementes de espécies florestais nativas. Pesquisa & Tecnologia 12(2):1-7.

Albuquerque, K.S., Guimarães, R.M., Almeida, I.F. & Clemente, A.D.C.S. 2007. Métodos para a superação da dormência em sementes de sucupira-preta (Bowdichia virgilioides Kunth.). Ciência e Agrotecnologia 31(6):1716-1721.

Alves, A.F., Carvalho Guerra, M.E. & Medeiros Filho, S. 2007. Superação de dormência de sementes de braúna (Schinopsis brasiliense Engl.). Revista Ciência Agronômica 38(1):74-77.

Alves, M.C.S., Medeiros-filho, S., Andrade-neto, M. & Teófilo, E.M. 2000. Superação da dormência de sementes de Bauhinia monandra Britt. e Bauhinia ungulata L. – Caesalpinoideae. Revista Brasileira de Sementes 22(2):139-144.

Alvares, C.A., Stape, J.L., Sentelhas, P.C., Gonçalves, J.L.M. & Sparovek, G. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22(6):711-728.

Backes, P. & Irgang, B. 2002. Árvores do Sul: guia de identificação e interesse ecológico. Instituto Souza Cruz, Santa Cruz do Sul. 326 p.

Baskin, C.C. & Baskin, J.M. 1998. Seeds. Ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. Academic Press, San Diego. 666 p.

Basler, A., Müller, E. & Petry, M.V. 2009. Frugivory by birds in Myrsine coriacea (Myrsinaceae) inhabiting fragments of mixed Araucaria

Forest in the Aparados da Serra National Park, RS, Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia 17(2):113-120.

Begnini, R.M. & Castellani, T.T. 2013. Seed rain under the canopies of female and male Myrsine coriacea, a pioneer tree from the Brazilian Atlantic forest. Journal of Tropical Ecology 29(5):391-399.

Bertalot, M.J. & Nakagawa, J. 1998. Superação da dormência em sementes de Leucaena diversifolia (Schlecht.) Bentham. Revista Brasileira de Sementes 20(1):39-42.

Borghetti, F. & Ferreira, A.G. 2004. Interpretação de resultados de germinação. In Germinação: do básico ao aplicado (F. Borghetti & A.G. Ferreira, orgs.). Armed, Porto Alegre, p. 209-222.

Brasil. Congresso Nacional. Lei de Proteção da Vegetação Nativa. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no2.166- 67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mai. 2012. Disponível em . Acesso em 10. 12. 2015.

Brasil. 2009. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Brasília. 395 p.

Brasil. 2013. Instruções para análise de sementes de espécies florestais. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Brasília. 97 p.

Burrows, C. 1994. Fruit, seeds, birds and the forests of Banks Peninsula. New Zealand Natural Sciences 21(1):87-108. Burrows, C. 1996. Germination behaviour of seeds of the New Zealand woody species Coprosma foetidissima, Freycinetia baueriana, Hoheria angustifolia, and Myrsine australis. New Zealand Journal of Botany 34(4):499-508.

Carvalho, L.R., Silva, E.A.A. & Davide, A.C. 2006. Classificação de sementes florestais quanto ao comportamento no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes 28(2):15-25.

Carvalho, P.E.R. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. Embrapa Florestas, Colombo. 1039 p. .

Castiglioni, G.D.A., Cunha, L.S.T. & Gonzaga, L.P. 1995. Ramphocelus bresilius como dispersor das sementes de plantas da restinga de Barra de Maricá, Estado do Rio de Janeiro (Passeriformes: Emberizidae). Ararajuba 3(1):94-99.

Escobar, T.A., Pedroso, V.M., Bonow, R.N. & Schwengber, E.B. 2010. Superação de dormência e temperaturas para germinação de sementes de Acacia caven (Mol.) Mol. (Espinilho). Revista Brasileira de Sementes 32(2):124-130.

Fenner, M. 1995. Ecology of seed banks. Seed Development and Germination. Marcel Dekker, New York, p. 507-528.

Fowler, J.A.P. & Bianchetti, A. 2000. Dormência em sementes florestais. Embrapa Florestas, Colombo. 27 p.

Guerta, R.S., Lucon, G.L., Motta-Junior. J.C., Vasconcellos, L.A.S. & Figueiredo. R.A. 2011. Bird frugivory and seed germination of Myrsine umbellata and Myrsine lancifolia (Myrsinaceae) seeds in a cerrado fragment in southeastern Brazil. Biota Neotropica 11(4):59-65.

Jesus, S. & Monteiro-Filho, E.L.A. 2007. Frugivoria por aves em Schinus terebinthifolius (Anacardiaceae) e Myrsine coriacea (Myrsinaceae). Revista Brasileira de Ornitologia 15(4):585-591.

Joly, C.A. & Felippe, G.M. 1979. Dormência das sementes de Rapanea guianensis Aubl. Revista Brasileira de Botânica 2(1):1-6.

Jordano, P., Galetti, M., Pizo, M.A. & Silva, W.R. 2006. Ligando frugivoria e dispersão de sementes à biologia da conservação. In Biologia da conservação: essências (C.F.D. Rocha, H.G. Bergallo, M. Van Sluys & M.A.S. Alves, eds.). Rima Editora, São Paulo, p. 411-436.

Kaminski, N. 2013. Consumo de frutos por três espécies de Picidae em área de Floresta Ombrófila Mista de Santa Catarina. Biotemas 26(3):261-263.

Klein, R.M. 1980. Ecologia da Flora e Vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia 32:164-369.

Kuhlmann, M. 1975. Adenda alimentar dos bugios. Silvicultura em São Paulo 9:57-62.

Lorenzi, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Plantarum, Nova Odessa, São Paulo. 352 p.

Germinação de sementes de Myrsine coriacea (Primulaceae)... 113

Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, 73(2):1-113, 31 de agosto de 2018

Maguire, J.D. 1962. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2(1):176-177.

Mori, E.S., Piña-Rodrigues, F.C. & Freitas, N.P. 2012. Sementes florestais: guia para germinação de 100 espécies nativas. Instituto Refloresta, São Paulo. 159 p.

Oliveira, A.K.M. & Leme, F.T.F. 2013. Didelphis albiventris como indutor de germinação de Rapanea ferruginea (Myrcinaceae) em área de Cerrado, Mato Grosso do Sul, Brasil. Iheringia. Série Zoológica 103(4):361-366.

Oliveira, R.S. & Bacarin, M.A. 2001. Banco de sementes e mecanismos de dormência em sementes de plantas daninhas. In Plantas daninhas e seu manejo (R.S. Oliveira & J. Constantin, orgs.). Agropecuária, Guaíba, p. 261-290.

Otegui, M. 1998. Sinopsis Del gênero Myrsine L. (Myrsinaceae) em El Cono Sur de América del Sur. Candollea 53(1):133-157.

Pereira, P.E.E. & Jacobi, U.S. 2014. Avaliação da maturidade, superação da dormência de sementes e crescimento inicial da raiz de Myrsine parvifolia A. DC.(Primulaceae). Iheringia. Série Botânica 69 (2):293-301.

Pineschi, R.B. 1990. Aves como dispersoras de sete espécies de Rapanea (Myrsinaceae) no maciço do Itatiaia, estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Ararajuba 1(1):73-78.

Pizo, M.A., Silva, W.R., Galetti, M. & Laps, R. 2002. Frugivory in cotingas of the Atlantic Forest of southeast Brazil. Ararajuba 10(2):177-185.

Pohlert, T. 2016. The Pairwise Multiple Comparison of Mean Ranks Package (PMCMR). R package. Disponível em: https://cran.r-project. org/web/packages/PMCMR/index.html

Pontes, C.A., Borges, E.E.L.B., Rita, C.G. & Soares, C.P.B. 2002. Mobilização de reservas em sementes de Apuleia leiocarpa (Vogel) J.F. Macbr. (garapa) durante a embebição. Revista Árvore 26(5):593601.

R Core Team. 2016. R: A language and environment for statistical computing, Version 3.2.5. R Foundation for Statistical Computing. Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em: 04. 07. 2016.

Reis, A. & Kageyama, P.Y. 2003. Restauração de áreas degradadas utilizando interações interespecíficas. In Restauração ecológica de ecossistemas naturais (P.Y. Kageyama, R.E. Oliveira, L.F.D. Moraes, V.L. Engel, & F.B. Gandara, orgs.). Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, Botucatu, p. 91-110.

Reis, A., Zambonin, R.M. & Nakazono, E.M. 1999. Recuperação de áreas florestais degradadas utilizando a sucessão e as interações planta-animal. Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, São Paulo. 42 p.

Roversi, T., Falck, G., Mattei, V.L. & Silveira Junior, P. 2002. Superação da dormência em sementes de acácia negra (Acacia mearnsii Willd.). Pesquisa Agropecuária Brasileira 8(2):161-163.

Santana, D.C. & Ranal, M.A. 2004. Análise estatística. In Germinação: Do básico ao aplicado (F. Borghetti & A.G. Ferreira, orgs.). Armed, Porto Alegre, p. 197-208.

Sert, M.A., Bonato, C.M. & Souza, L.A. 2009. Germinação da semente. In Sementes e plântulas: germinação, estrutura e adaptação (L.A. Souza, org.). Toda Palavra, Ponta Grossa. 279 p.

Silva, A.P.M., Marques, H.R., Santos, T.V.M.N., Luciano, M.S.F. & Sambuichi, R.H.R. 2015. Diagnóstico da Produção de Mudas Florestais Nativas no Brasil - Relatório de Pesquisa. Instituto Nacional de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília. 58p.

Sobral, M., Jarenkow, J.A., Brack, P., Irgang, B., Larocca, J. & Rodrigues, R.S. 2006. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Editora Rima/Novo Ambiente, São Carlos. 362 p.

Souza, L.A. 2009. Sementes e plântulas: germinação, estrutura e adaptação. Toda Palavra, Ponta Grossa. 279 p.

Teixeira, M.B., Coura Neto, A.B., Pastore, U. & Rangel Filho, A.L.R. 1986. Vegetação. As regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos. Estudo fitogeográfico. In Levantamento de recursos naturais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 33:541-632.

Vianna, E. & Koehler, A.B. 2007. Tratamentos simplificados para germinação de sementes de tarumã (Vitex megapotamica (Spreng.) Moldenke.). Revista Acadêmica 5(2):189-193.

Wrege, M.S., Steinmetz, S., Reisser Júnior, C. & Almeida, I.D. 2011. Atlas climático da região sul do Brasil: estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Embrapa Clima Temperado, Pelotas. 336 p.

Zamith, L.R. & Scarano, F.R. 2004. Produção de mudas de espécies das Restingas do município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica 18(1):161-176.

Zar, J. H. 1999. Biostatistical analysis. Prentice Hall, New Jersey. 663 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caros pesquisadores,

A revista Iheringa, Série Botânica está aberta à submissão de manuscritos. No entanto, alertamos que a Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul encontra-se sob ameaça de extinção pelo PL n° 246/16 encaminhado e aprovado na Assembleia Legislativa, o que poderá comprometer a publicação dos artigos.

Atenciosamente,

Corpo Editorial.

 

Dear Researchers,

The magazine Iheringia, Série Botânica is open to submit manuscript. However, we warn that the Zoobotanical Foundation of Rio Grande do Sul is under threat of extinction by PL no. 246/16 sent and approved in the Legislative Assembly, we were obliged to temporarily interrupt the receipt of manuscripts to the Journal.

Yours sincerely,

Editorial Board.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)