Flora arbórea do Cerrado de Mato Grosso do Sul

Marcelo Leandro Bueno, Ary Teixeira de Oliveira-Filho, Vanessa Pantara, Arnildo Pott, Geraldo Alves Damasceno-Junior

Resumo


A principal unidade de vegetação do Mato Grosso do Sul é o Cerrado. Por apresentar um acelerado processo de perda de habitat associado à baixa taxa de conhecimento da flora do estado, torna-se de suma importância o conhecimento das espécies arbóreas registradas neste Bioma. Neste trabalho apresentamos uma lista da composição das espécies arbóreas do Cerrado no Mato Grosso do Sul, com o objetivo de subsidiar futuras avaliações sobre o estado de conservação e implementação de propostas que auxiliem na conservação dos seus recursos naturais. Os dados foram extraídos do NeoTropTree, que consiste em um conjunto de banco de dados de listas florística de espécies arbóreas. Foram registrados 546 espécies arbóreas distribuídas em 84 famílias botânicas e 255 gêneros, sendo que três espécies são exclusivas do estado.


Palavras-chave


Cerrado sul mato-grossense, diversidade, espécies arbóreas, Savana Neotropical

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’Saber, A.N. 2003. Os Domí nios de Natureza no Brasil: potencialidades

paisagí sticas. Ateliê Editorial, Sã o Paulo. 159 p.

Adámoli, J., Macêdo, J., Azevedo, L.G. & Netto, J.M. 1987. Caracterização

da região dos Cerrados. In Solos dos Cerrados: tecnologias e estratégias

de manejo (W.J. Goedert, ed.). Nobel, São Paulo, p. 33-98.

Alves, F.M., Lehn, C.R., Damasceno-Júnior, G.A., Sartori, A.L.B.; Pott,

A., Pott, V.J., Bortolotto, I.M., Ishii, I.H., Salis, S.M.; Urbanetz, C., Bueno, M.L. & Sciamarelli, A. 2017. Coleções botânicas do estado de Mato Grosso do Sul: situação atual e perspectivas. Iheringia, Série Botânica 73(supl.):93-100.

Bridgewater, S., Ratter, J.A. & Ribeiro, J.F. 2004. Biogeographic patterns,

b-diversity and dominance in the cerrado biome of Brazil. Biodiversity

and Conservation 13:2295-2318.

Bueno, M. L.; Pennington, R. T; Dexter, K. G.; Kamino, L. H. Y.; Pontara,

V.; Neves, D. M.; Ratter, J. A. & Oliveira-Filho, A. T. 2016. Effects of Quaternary climatic fluctuations on the distribution of Neotropical savanna tree species. Ecography 40: 403-414.

Bueno, M.L., Neves, D.R.M., Souza, A.F., Junior, E.O., Damasceno-Junior,

G.A., Pontara, V., Laura, V. A. & Ratter, J. A. 2013a. Influence of edaphic factors on the floristic composition of an area of cerradão in the Brazilian central-west. Acta Botanica Brasilica 27(2): 445-455.

Bueno, M.L., Neves, D.R.M., Oliveira-Filho, A.T., Lehn, C.R. & Ratter,

J.A. 2013b. A Study In an Area of Transition Between Seasonally Dry

Tropical Forest And Mesotrophic Cerradão, In Mato Grosso do Sul,

Southwestern Brazil. Edinburgh Journal of Botany 70(3): 469–486.

Collevati, R.G.; Grattapaglia, D. & Hay J.D. 2003. Evidences for multiple

maternal lineages of Caryocar brasiliense populations in the Brazilian

Cerrado based on the analysis of chloroplast DNA sequences and

microsatellite haplotype variation. Molecular Ecology 12: 105-115.

Costa, A.A. & Araújo, G.M. 2001. Comparação da vegetação arbórea de

cerradão e cerrado na Reserva do Panga, Uberlândia, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica 15(1): 63-72.

Damasceno-Junior, G.A., Pott, A., Neves, D.R.M., Sciamarelli, A. &

Fina, B.G. 2015. Flora lenhosa de Florestas estacionais do estado de Mato Grosso do Sul: estado da arte. Iheringia, Série Botânica 73(supl.):65-79.

Felfili, J.M., Nogueira, P.E., Júnior, M.C.S., Marimon, B.S. & Delitti, W.B.C. 2002. Composição florística e fitossociologia de um cerrado sentido restrito no município de Água Boa-MT. Acta botanica Brasilica 16(1): 103-112.

Fundo Mundial para a Natureza. 1995. De grão em grão o Cerrado perde

espaço. Impactos do Processo de Ocupação. World Wide Fund for Nature/Fundação Pró-Cerrado. Brasília. 66 p.

Furley P.A. & Ratter, J.A. 1988. Soil resources and plant communities

of the central Brazililian cerrado and their development. Journal of

Biogeography 15: 97-108.

Gentry, A.H. 1990. Floristic similarities and differences between Southern

Central America and Upper and Central Amazonia. In Four neotropical

rainforests. (A.H. Gentry ed.). Yale University Press, London, p. 141-157.

Gentry, A.H., Herrera-MacBride, O., Huber, O., Nelson, B.W. & Villamil, C.B. 1997. Regional overview: South America. In Centres of plant diversity (V.H. Heywood & S.D, Davis, cords.). World Wide Fund for Nature/ International Union for Conservation of Nature, Cambridge, p. 269-307

Haridasan, M. 2000. Nutrição mineral de plantas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal 12: 54-64.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE 2004. Mapa de biomas

brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, Escala 1:5.000.000.

Ivanauskas, N.M., Monteiro, R. & Rodrigues, R.R. 2001. Levantamento

florístico de trecho de floresta Atlântica em Pariquera-Açu, São Paulo, Brasil. Naturalia 26: 97-129.

Lima, H., Souza, E.R., Rando, J.G., Bortoluzzi, R., Flores, A.S., Limas, L.C.P., Dutra, V., Vivas, C., Perez, A.P.F., Araújo, L., Mouton, L., Amaro, R. & Serrano, T. 2014a. Fabaceae. In Livro Vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado (G. Martinelli, T. Messina & L. S. Filho, eds.). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Centro Nacional de conservação da flora, p. 123-140.

Lima, N.E, Lima-Ribeiro, M.S., Tinoco, C.F., Terribile, L.C. & Collevatti, R.G. 2014b. Phylogeography and ecological niche modelling, coupled with the fossil pollen record, unravel the demographic history of a Neotropical swamp palm through the Quaternary. Journal of Biogeography 41: 673–686.

Lista de Espécies da Flora do Brasil 2013. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acessado em 15.03.2015.

Lopes, A.S. 1984. Solos sob cerrado: características, propriedades e

manejo. Potafos, Piracicaba. 162p.

Martinelli, G. & Martins, E. 2010. Panorama nacional sobre espécies ameaçadas de extinção da flora brasileira. In Diversidade Vegetal Brasileira: conhecimento, conservação e uso (M.L. Asby, F.D.A. Matos, & I.L. Amaral, orgs.). Sociedade Botânica do Brasil, Manaus, p. 592-595

Martinelli, G., Messina, T. & Filho, L.A.S. 2014. Livro vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado (G. Martinelli, T. Messina & Luiz A. S. Filho, orgs). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Centro Nacional de conservação da flora, Rio de Janeiro. 320 p.

Mendonça, R.C., Felfili, J.M., Walter, B.M.T., Silva-Jr., M.C., Rezende, A.V., Filgueiras, T.S., Nogueira, P.E. & Fagg, C.W. 2008. Flora vascular do cerrado: Checklist com 12.356 espécies. In Cerrado: ecologia e flora (S.M. Sano, S.P. Almeida & J.F. Ribeiro, eds.). Embrapa, Planaltina, p.417-1279.

Ministério do Meio Ambiente- MMA 2009. Relatório técnico de monitoramento do desmatamento no Bioma Cerrado, 2002 a 2008: Dados revisados. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 69 p.

Mittermeier, R.A., Myers, N. & Mittermeier, C.G. 1999. Hotspots: earts biologicaly richest and most endangered terrestrial ecoregions. Mexico City. Conservation International and Agrupacion Sierra Madre, Monterrey. 430 p.

Myers, N., Mittermeier, R.A., Mittermeier, C.G., Fonseca, G.A.B. & Kent, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403 (6772): 853-858.

Neri, A.V., Meira Neto, J.A.A., Silva, A.F. da, Martins, S.V. & Batista, M.L. 2007. Análise da estrutura de uma comunidade lenhosa em área de Cerrado Sensu Stricto no município de Senador Modestino Gonçalves, Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore 31(1): 123-134.

Novaes, R.M.L., Filho, J.P.L., Ribeiro, R.A. & Lovato, M.B. 2010. Phylogeography of Plathymenia reticulata (Leguminosae) reveals patterns of recent range expansion towards northeastern Brazil and southern Cerrados in Eastern Tropical South America. Molecular Ecology 19: 985–998.

Oliveira-Filho, A.T. & Fontes, M.A.L. 2000. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil, and the influence of climate. Biotropica 32: 793-810.

Oliveira-Filho, A.T., Neto, E.T., Carvalho, W.A.C., Werneck, M., Brina, A.E., Vidal, C.V., Rezende, S.C. & Pereira, J.A.A. 2005. Análise florística do compartimento arbóreo de áreas de floresta atlântica sensu lato na região das bacias do leste. Rodriguésia 56: 185-235.

Oliveira-Filho, A.T. 2009. Classificação das fitofisionomias da América do Sul cisandina tropical e subtropical: proposta de um novo sistema – prático e flexível – ou uma injeção a mais de caos? Rodriguésia 60 (2): 237-258.

Oliveira-Filho, A.T. 2014. NeoTropTree, Flora arbórea da Região Neotropical: Um banco de dados envolvendo biogeografia, diversidade

e conservação. Universidade Federal de Minas Gerais. http://www.icb.ufmg.br/treeatlan/. Acessado em 12.01.15.

Peixoto, A.L. 2003. Coleções biológicas de apoio ao inventário, uso sustentável e conservação da biodiversidade. Rio de Janeiro: Instituto

de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Pott, A. & Pott, V.J. 2003. Espécies de Fragmentos Florestais em Mato Grosso do Sul. In Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste. (R.B. da Costa, ed.).

Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande. p. 26-52.

Ramos, A.C.S., Lemos-Filho, J.P., Ribeiro, R.A., Santos, F.R. & Lovato, M.B. 2007. Phylogeography of the tree Hymenaea stigonocarpa (Fabaceae: Caesalpinioideae) and the influence of Quaternary climate

changes in the Brazilian Cerrado. Annals of Botany 100: 1219–1228.

Ratter, J.A., Richards, P.N., Argente, G.E. & Giford, D.R.G. 1973. Observations on the vegetation of northeastern Mato Grosso. Philosophical Transaction for the Royal Society of London, Series B.; Biological Sciences 226 (880): 449-492.

Ratter, J.A., Askew, G.P., Montgomery, R.F. & Gifford, D.R. 1977. Observações adicionais sobre o cerradão de solos mesotróficos no Brasil central. In IV Simpósio sobre o Cerrado: Bases para a Utilização Agropecuária. (M.G. Ferri, ed.). Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, p.303-316.

Ratter, J.A., Ribeiro, J.F. & Bridgewater, S. 1997. The brazilian cerrado

vegetation and threats to its biodiversity. Annals of Botany 80: 223-230.

Ratter, J.A., Pott, A., Pott, V.J., Cunha; C.N. & Haridasan, M. 1988.

Observations on woody vegetation types in the Pantanal and at Corumbá, Brazil. Notes Royal Botanic Garden Edinburgh 45: 503-525.

Ratter, J.A., Bridgewater, S. & Ribeiro, J.F. 2003. Analysis of the floristic

composition of the Brazilian cerrado vegetation iii: comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany 60: 57-109.

Reatto A., Correia, J.R. & Spera, S.T. 1998. Solo do bioma Cerrado: aspectos pedológicos. In Cerrado: ambiente e flora. (S.M. Sano, S.P.

Almeida & J.F. Ribeiro, eds.). Embrapa Cerrados, Planaltina, p.47-86.

Ribeiro, J.F. & Walter, B.M.T. 2008. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In Cerrado: ecologia e flora (S.M. Sano, S.P. Almeida & J.F. Ribeiro, eds.). Embrapa Cerrados, Planaltina. p.151 -212.

Rizzini, C.T. 1979. Tratado de fitogeografia do Brasil. v.2. Aspectos

ecológicos. Hucitec/Edusp, São Paulo. 327p.

Rosa, F.F. 2012 Diversidade Genética e Conservação de Tabebuia Aurea

(Silva Manso) Benth & Hook. F. Ex S. Moore (Bignoniaceae), uma espécie arbórea do Cerrado. Dissertação 59f., Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil.

Scarano, F.R., Ceotto, P., Medeiros, R. & Mittermeier, R.A. 2014. O bioma Cerrado: conservação e ameaças. In Livro Vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado (G. Martinelli, T. Messina & L. S. Filho, eds.). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Centro Nacional de conservação da flora , p. 21-24.

Shepherd, G.J. 2003. Plantas terrestres: Versão preliminar. Relatório de Avaliação do estado do conhecimento da diversidade biológica do Brasil. 60 p.

Silva, J.M.C. & Bates, J.M. 2002. Biogeographic patterns and conservation

in the South american cerrado: a tropical savanna hotspot. bioScience 52: 225-233.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)