Germinação de sementes de Myrcia glabra (O. Berg) D. Legrand e Myrcia palustris DC. – Myrtaceae armazenadas em câmara fria

Cristina Leonhardt, Anaíse Costa Calil, Claudimar Sidnei Fior

Resumo


Myrcia glabra (O. Berg) D. Legrand e Myrcia palustris DC. são espécies arbóreas ornamentais, indicadas para arborização urbana e restauração ambiental. Objetivou-se avaliar a germinação das sementes após a colheita e durante armazenamento em câmara fria até seis meses, através das determinações de teor de água, percentagem e velocidade de germinação em laboratório e emergência em casa de vegetação. As sementes de M. glabra e de M. palustris apresentaram germinação de 88% e 97% e emergência de 80% e 87%, respectivamente. No armazenamento, não houve redução signifi cativa da germinação até 90 dias e da emergência até 110 e 120 dias, respectivamente. Após cinco e seis meses as sementes de M. glabra e M. palustris apresentaram 50% e 58% da viabilidade inicial. O armazenamento em câmara fria preservou a qualidade inicial das sementes das duas espécies por, aproximadamente, quatro meses e permitiu estender a longevidade durante, pelo menos, cinco meses em M. glabra e seis meses em M. palustris.


Palavras-chave


viabilidade de sementes, armazenamento de sementes.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, R.N.B. 2002. Germinação de sementes de plantas ornamentais ocorrentes no Rio Grande do Sul. 110f. Tese (Doutorado em Ciências) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

ANDRADE, R.N.B.; FERREIRA, A.G. 2000. Germinação e armazenamento de Eugenia pyriformis Cambess. Myrtaceae. Revista Brasileira de Sementes, v. 22, n. 2, p.118-125.

BACKES, P.; IRGANG, B. 2004. Mata Atlântica: as árvores e a paisagem. Porto Alegre: Paisagem do Sul. 396p., il.

BARBEDO, C.C.J. et al. 1998. Germinação e armazenamento de diásporos de cerejeira (Eugenia involucrata DC. – Myrtaceae) em função do teor de água. Revista Brasileira de Sementes, v. 20, n.1, p.184-188.

BORDIGNON, M.V. 2000. Análise morfofi siológica em sementes de Eugenia unifl ora L. e Campomanesia xanthocarpa Berg. (Myrtaceae). 94f. Dissertação (Mestrado em Biologia Celular e Estrutural) - Universidade

Estadual de Campinas, Campinas.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. 1992. Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA. 365p.

BÜLOW, J.F.W. von; CARMONA, R.; PARENTE, T.V. 1994. Armazenamento e tratamento de sementes de pitanga-vermelha-do-cerrado (Eugenia calycina). Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 29, n. 6, p.961-970.

CHIN, H.F. 1988. Recalcitrant seeds: a status report. Roma: IBPGRI. 28p.

DELGADO, L.F. 2006. Tolerância à dessecação em sementes de espécies brasileiras de Eugenia. 94f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente) – Instituto de Botânica, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo.

GENTIL, D.F.O.; FERREIRA, S.A.N. 1999. Viabilidade e superação da dormência em sementes de araçá-boi (Eugenia stipitata ssp. sororia). Acta Amazônica, v. 29, p.21-31.

KOHAMA, S.; MALUF, A.M.; BILIA, D.A.C.; BARBEDO, C.J. 2006. Secagem e armazenamento de sementes de Eugenia brasiliensis Lam. (grumixameira). Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n.1, p.72-78.

LARCHER, W. 2004. Ecofi siologia vegetal. São Carlos: RiMa. 531p.

LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Nova Odesa: Instituto Plantarum. v. 2, 368p., il.

MALUF, A.M.; BILIA, D.A.C.; BARBEDO, C.J. 2003. Drying and storage of Eugenia involucrata DC. seeds. Scientia Agricola. v. 60, n. 3, p.471-475.

OLIVEIRA, E. de C. 1993. Morfologia de plântulas. In: AGUIAR, I.B; PINÃ-RODRIGUES, F.C.M.; FIGLIOLIA, M.B. Sementes fl orestais tropicais. Brasília: ABRATES. p.175-214 .

PAMMENTER, N.W.; BERJAK, P. 1999. A review of recalcitrant seed physiology in relation to desiccationtolerance mechanisms. Seed Science Research, v. 9, p.13-37.

REITZ, P.; KLEIN, R.M.; REIS, A. 1988. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria de Agricultura e Abastecimento. 525p.

SANCHOTENE, M.C.C. 1989. Frutíferas nativas úteis à fauna na arborização urbana. Porto Alegre: Feplam. 309p.

SANTANA, D.G.; RANAL, M.A. 2004. Análise da germinação – um enfoque estatístico. Brasília: Ed. da Universidade de Brasília. 248p.

SANTOS, C.M.R.; FERREIRA, A.G.; ÁQUILA, M.E.A. 2004. Características de frutos e germinação de sementes de seis espécies de Myrtaceae nativas do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, v.14, n. 2, p.13-20.

SILVA, J.B.C.; NAKAGAWA, J. 1995. Estudos de fórmulas para cálculo de germinação. Informativo ABRATES, v. 5, n. 1, p.62-73.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2446-8231

Indexadores: Aquatic Sciences and Fisheries Abstract (ASFA) | Biological Abstract | Biosis Previews | Google Acadêmico | Latindex | Qualis-CAPES | Scopus | Web of Science – Institute for Scientific Information (ISI)